"> CRÔNICA SEMANAL!!! A moralização da desmoralizada política. Acontecerá um dia? - Blog Neto Pimentel

domingo, 29 de setembro de 2013

CRÔNICA SEMANAL!!! A moralização da desmoralizada política. Acontecerá um dia?


Minha avó comenta, que meu bisavô dizia, que quando ia votar, passava três dias viajando no lombo de um animal, simplesmente para votar no senhor "fulano" pelo compromisso, pela confiança, pelo respeito. Quantas foram as vezes que meu bisavô deixou sua roça de lado por dias, que seu animal passou sede e fome nas chapadas, mas no dia da eleição o "homi" estava lá para exercer sua cidadania.

Com o passar dos anos, meu bisavô já dizia com lamentação para os filhos, acompanhei tanto o "fulano", e nada ou pouco fez por nosso lugar, não pagou nem as mandiocas que estragaram. Minha avó, tem sua versão direta da política também, em uma época que nem era vivo ainda, foi convidada por um famoso político de sua região para ser sua candidata a vereadora, "a mulher guerreira", já havia esses lemas "transformadores" em tempos de outrora, e eu que pensava que era algo contemporâneo. Resultado disso, minha avó, talvez por Deus escrever certo por linhas tortas, não foi eleita. Após o processo, o camarada que era responsável pela sessão em seu lugar, pois já tinha sessão naquele povoado, disse de forma natural "Dona 'J' se tivesse falado comigo tinha colocado uns votos para você, fiz isso para beltrano." A raiz da corrupção vem de longe, este caso, talvez seja visto atualmente como roubar galinhas, dentro do universo de escândalos que a mídia noticia.

Em 1964 o país foi dominado por uma ditadura militar, não havia liberdade de expressão, não se podia nem escolher errado nossos representantes, ah e a ordem era a seguinte "Brasil, ame ou deixo-o", daí o motivo de tantos terem sido exilados, torturados e mortos também. O povo cansou-se da prisão imposta no território, saiu as ruas, artistas, intelectuais, operários, todos juntos no maior movimento popular escrito em sua história, o movimento "Diretas Já". O regime militar sai de cena, para a "democracia" imperar pelo menos nas linhas da constituição escrita anos seguintes. Em 1992, o jovem presidente Collor, devido as denuncias de corrupção e desvio de dinheiro público, enfrentou a fúria da juventude, de estudantes que foram as ruas de "Caras Pintadas" pedir sua renuncia, ocorrendo seu impeachment.

Recentemente, milhões foram as ruas em todo o país, reivindicar a moralização da política, por uma melhor educação, saúde, segurança, etc. tendo 0,20 centavos do aumento de uma passagem como o estopim de uma revolta. Evidente que uma lei ou outra que desmoralizaria mais ainda a república não foi aprovada, mas diferente dos movimentos de 84 e 92 que obtiveram exito em seus objetivos, a reforma, a moralização e o melhoramento dos serviços públicos de hoje, estão a léguas e léguas de acontecerem de forma concreta.

O que vimos no pós revolta desse ano de 2013, foram apenas medidas paliativas, com um único sentido, acalmar o povo em direção as suas casas, para lá esperarem o milagre acontecer. Pois talvez nem Santo Expedito seja capaz de operar tamanho milagre, pois ao vê mensaleiro ter direito a um possível novo julgamento, político condenado continuar com o mandato de deputado, estão nos forçando a um ceticismo e a sermos apolíticos, isso é o que desejam a maioria dos que se locupletam do nosso suor, por isso é preferível seguir o pensamento do mestre Darcy Ribeiro "Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca." Logo indignar-se com todo esses absurdos é melhor do que se distanciar e deixá-los a vontade para as incorreções.

Talvez a massa do povo não vote mais como um dia em vida votou meu bisavô, pela confiança, pelo respeito e pelo compromisso por algum fulano político. Na cidade que resido, Tutóia-MA, na eleição de 2012, mais de 9 mil eleitores não compareceram as urnas para exercer um direito, quantidade próxima aos votos que o segundo colocado na disputa obteve, não há mais a vontade nem de votar. Vota-se por agrados, situações privilegiadas, e nesse jogo de cartas marcadas, a maioria está preferindo corrompesse a combater os que teimam em fortalecer a raiz do fruto proibido, do pecado capital.

Fazendo uso do bordão de Marcelo Resende em seu programa cidade alerta e um trecho da música até quando de Gabriel O Pensador, "Aí eu te pergunto", "Até quando você vai levando? (Porrada! Porrada!!)Até quando vai ficar sem fazer nada? Até quando você vai levando? (Porrada! Porrada!!)Até quando vai ser saco de pancada?"


Por Neto Pimentel

Nenhum comentário:

Postar um comentário